Aloísio volta contra a Ponte Preta: 'Estou com muita vontade de jogar'


Fonte: Globo Esporte.com - 18/11/2013


Aloísio está pronto para voltar ao time do São Paulo. Fora dos dois últimos jogos, diante de Flamengo e Fluminense, o atacante garante estar recuperado de dores na coxa esquerda e pode ser opção de Muricy Ramalho para esta quarta-feira, no primeiro duelo com a Ponte Preta, pela semifinal da Copa Sul-Americana.

- Já estou melhor e recuperado. Fiz um trabalho legal na fisioterapia e com os preparadores físicos. Agora vou trabalhar com o grupo de novo e me dedicar ao máximo nos treinos.

Com 65 jogos até o momento na temporada, Aloísio é o jogador que mais vestiu a camisa tricolor em 2013 ao lado de Rogério Ceni. Artilheiro do clube no Campeonato Brasileiro de 2013, com dez gols, ele acusou cansaço após a derrota para o Atlético-PR, há mais de uma semana, e, desde então, foi poupado pelo técnico Muricy Ramalho, que escalou equipe mista nos dois últimos compromissos da equipe no torneio nacional.

- Estou com muita vontade de jogar. Sou um dos atletas que mais atuou esse ano, mas precisava desse tempo para me recuperar. Estava com algumas dores musculares, que me atrapalharam um pouco, mas consegui dar uma descansada e quero voltar com força total.  Vou treinar firme, porque teremos jogos duros nessa reta final da temporada.

Aloísio treinou normalmente na manhã desta segunda-feira, juntamente com os titulares do grupo, que não estiveram em campo na derrota para o Fluminense, no Macaranã, neste domingo. Ele deve voltar a campo para o trabalho da tarde e ser confirmado entre os 11 iniciais para o confronto com a Ponte Preta, às 21h50 (de Brasília) desta quarta, no Morumbi.

Ganso perde vaga, e Ney escala Denilson e Aloísio como titulares


Fonte: Globoesporte.com - 27/02/2013

O volante Denilson e o atacante Aloísio são as novidades do São Paulo para enfrentar o The Strongest, nesta quinta-feira, às 21h30m, no Morumbi, pela segunda rodada da fase de grupos da Taça Libertadores. No treino desta quarta-feira pela manhã, no CT da Barra Funda, o técnico Ney Franco confirmou a equipe que inicia o confronto sem o meia Paulo Henrique Ganso.

No fim da atividade do dia anterior, uma brincadeira de chutes a gol e de controle de bola deu pistas falsas sobre a formação. Ao lado de outros nove jogadores titulares estava o meia Maicon, escalado no início dos confrontos diante de São Caetano e Linense. No entanto, isso não se confirmou e Denilson, preservado na rodada passada, voltou.

Ney Franco quer o São Paulo jogando da mesma maneira que a goleada por 5 a 0 sobre o Bolíviar, pela fase prévia da competição sul-americana. O time foi escalado no esquema 4-2-3-1, com Aloísio posicionado pelo lado direito do ataque, na mesma linha de Osvaldo, pela esquerda, e Luis Fabiano como centroavante. Jadson ficou na armação.

O treinador parou o trabalho por diversas vezes para orientar o posicionamento da equipe, insistindo bastante na marcação ofensiva. Para que isso acontecesse, Denilson esteve livre para encostar no setor ofensivo. Os laterais Douglas e Cortez se alternaram nas descidas.

São Paulo treino (Foto: Carlos Augusto Ferrari) 
Denilson treina entre os titulares e está escalado (Foto: Carlos Augusto Ferrari)
Com a confirmação do time, Paulo Henrique Ganso continua sem ser titular em confrontos da Libertadores. O jogador foi utilizado mais vezes no Campeonato Paulista, competição utilizada pelo técnico como um laboratório visando possíveis modificações na Libertadores.

O São Paulo começa a partida com a seguinte formação: Rogério Ceni, Douglas, Lúcio, Rafael Toloi e Cortez; Wellington, Denilson e Jadson; Aloísio, Luis Fabiano e Osvaldo.



NO DIA DE GANSO, CENI PEGA BATUTA E DÁ VITÓRIA AO SÃO PAULO CONTRA TIMBU


Fonte: GE - 18/11/2012

Paulo Henrique Ganso tem tudo para se tornar um grande maestro no São Paulo. Não à toa, a sua estreia levou 62.207 pessoas ao Morumbi neste domingo, dando ao clube um novo recorde de público neste Campeonato Brasileiro. Mas quem assegurou a vitória por 2 a 1, de virada, sobre o Náutico, pela 36ª rodada, foi o maior de todos os comandantes do Tricolor: Rogério Ceni (Luis Fabiano fez o outro).

Com o resultado, o São Paulo foi a 62 pontos, manteve a quarta colocação e se garantiu na fase prévia da Libertadores, beneficiado pela derrota do Botafogo para o Sport. O Tricolor sonha terminar o Brasileiro em segundo para entrar diretamente na fase de grupos do torneio sul-americano. O Náutico, por sua vez, segue com 45 pontos, ainda com risco pequeno de rebaixamento à Série B.Em sua estreia, Ganso, obviamente, não teve uma atuação brilhante. Ainda sem ritmo de jogo, o meia tocou muito de lado e arriscou alguns lançamentos e passes mais ousados. Não estava fácil para o camisa 8 e para ninguém do Tricolor, tamanha era a retranca do Timbu. O jogo só fluiu mais para os donos da casa, melhores o tempo todo, quando Ceni virou a partida.

Na próxima rodada do Campeonato Brasileiro, a penúltima da competição, o São Paulo encara a Ponte Preta, em Campinas, às 17h, no domingo. No mesmo dia e horário, o Náutico visita o Bahia, no estádio de Pituaçu, em Salvador.

Retranca x posse de bola

Se nas arquibancadas do Morumbi havia mais de 62 mil são-paulinos, a impressão que o São Paulo teve dentro de campo era de que o Náutico estava com milhares de defensores. Na retranca, o time pernambucano deu muito pouco espaço aos donos da casa. Do outro lado, Rogério Ceni foi um mero espectador.

Com 68% de posse de bola no primeiro tempo, o Tricolor finalizou dez vezes. Quem mais tentou pelo lado são-paulino foi Lucas. Com cinco chutes a gol, o meia-atacante foi a principal arma do time anfitrião. Paulo Miranda, de volta à lateral direita, também fez um ótimo primeiro tempo.

Diante da dificuldade pelo meio de campo, as jogadas pelas laterais apareciam como alternativa. Foi assim com Paulo Miranda, com Cortês e também com Osvaldo. O atacante apareceu algumas vezes pela esquerda na tentativa de surpreender a zaga do Timbu. Mas faltava capricho nas finalizações.

Em dia de festa pela presença de Paulo Henrique Ganso no banco de reservas, a torcida do São Paulo manteve a paciência. Mas aos 30 minutos deixou o seu recado ao técnico Ney Franco: “Ô lê, lê, ô, lá, lá, o Ganso vem aí e o bicho vai pegar”. O meia talvez fosse capaz de ajudar a furar a retranca pernambucana.

Retranca, aliás, que veio com um toque de catimba. Aos 43 minutos, Luis Fabiano atingiu o braço no braço de Alemão, mas o jogador do Náutico caiu colocando a mão no rosto. O árbitro, então, puniu o camisa 9 do São Paulo com o cartão amarelo. A torcida, eufórica, novamente apoiou e gritou o nome do jogador.

Ceni: sempre com a batuta

A expectativa dos torcedores do São Paulo era de que o time voltasse para o segundo tempo com Paulo Henrique Ganso. Mas a única alteração foi a entrada de Edson Silva no lugar de Rafael Toloi. O zagueiro sentiu o tornozelo durante a etapa inicial e não teve condições de voltar ao campo.

É claro que a ausência de Ganso causou frustração nos mais de 60 mil são-paulinos, muito embora o planejamento fosse para que o meia entrasse com a etapa final em andamento, mas o gol do Náutico, aos três minutos, foi pior. Souza, em cobrança de falta, acertou o canto direito de Rogério Ceni.

Se a frustração tinha sido em dose dupla, a euforia foi compensada da mesma maneira. Aos nove minutos, o técnico Ney Franco chamou Paulo Henrique Ganso para entrar no lugar de Jadson e “explodiu” o Morumbi, que segundos depois viu Luis Fabiano cabecear após cruzamento de Osvaldo e empatar a partida.

Em campo, o maestro Paulo Henrique Ganso passou a ser a referência do time. A maioria das bolas começaram a passar por ele, que arriscou alguns toques rápidos e lançamentos de longa distância. Mas a virada saiu dos pés de alguém que está bem acostumado a ser estrela: Rogério Ceni, o maior regente da torcida tricolor.

O goleiro fez 2 a 1, de pênalti, aos 26 minutos. Quem sofreu a penalidade foi o artilheiro Luis Fabiano, depois de linda jogada individual de Lucas. Com mais um gol, Ceni chegou a 107 na carreira. Recentemente, aliás, o camisa 1 renovou seu contrato com o Tricolor até o fim de 2013.

Sem poder ficar mais na retranca, como na maior parte do jogo, o Náutico teve de sair um pouco da defesa e deu mais espaços ao São Paulo. Só que o placar final não saiu do 2 a 1 para os donos da casa, que festejaram a volta à Libertadores.


Para São Paulo, nem 60% de Ganso valem R$ 23,8 milhões


Fonte: Blog do Perrone - 01/09/2012

De acordo com reportagem do UOL Esporte, o São Paulo pode pagar o valor equivalente à multa rescisória de Ganso pedido pelo Santos. Porém, nas negociações o discurso tricolor é de que nem 60% dos direitos do meia valem hoje R$ 23,8 milhões. Esse é o montante cobrado pelo alvinegro por sua fatia de 45%.

A ordem no Morumbi é barganhar. Tentar um acordo com Santos e DIS para que o clube consiga obter bem mais de 60% dos direitos do atleta se desembolsar os R$ 27 milhões oferecidos por 100%. Ou pagar bem menos para ficar com uma fatia menor.

Uma das saídas seria na assinatura do novo contrato do jogador a DIS repassar parte de seus 55% ao São Paulo. Porém, no entendimento são-paulino, esse não é o objetivo da empresa, que já estudou colocar a mão no bolso para levar Ganso ao Inter.

Na avaliação do estafe de Juvenal Juvêncio, como investidora, a DIS quer sair da negociação com algum dinheiro na mão. Por outro lado, já sairia vitoriosa da operação se passe a ter como sócio um clube que não está em pé de guerra com ela. Santos e DIS, braço esportivo do Grupo Sonda, estão em briga na Justiça. Curiosamente, o São Paulo já colidiu com a empresa quando vendeu Breno.

Na busca de uma solução negociada, a estratégia são-paulina agora é dar tempo para Ganso e Santos se entenderem. E esperar que Laor, presidente do clube do Litoral, aceite conversar. Por enquanto, nos bastidores, o máximo que os santistas admitem é uma redução de aproximadamente R$ 1 milhão em relação ao valor da multa.


Rhodolfo atinge 100º jogo com zaga em alta: "São Paulo se acertou"


Fonte: Terra - 01/09/2012

O São Paulo venceu seus últimos quatro compromissos (três deles pelo Campeonato Brasileiro) tendo sofrido só um gol. O próximo jogo - neste domingo, diante do Bahia, em Salvador - será o centésimo de Rhodolfo, um dos principais integrantes da retaguarda, que vive ótimo momento.

"Estou muito feliz pela marca alcançada em tão pouco tempo. Joguei a grande maioria das partidas e ainda quero jogar muito tempo no São Paulo. Tomara que venha a vitória, seria muito importante. Tenho muito para conquistar, tomara que ainda neste ano", comemora o zagueiro, contratado em fevereiro do ano passado.

"A gente tem conversado bastante com o (Rafael) Toloi, o Douglas, o sistema defensivo inteiro, os volantes também. O momento não se deve só aos dois zagueiros, porque o time inteiro se acertou. É mérito da equipe toda, o Rogério Ceni tem conversado bastante sobre isso. Estamos nos acertando na hora certa da competição", acrescentou.

Na opinião do camisa 4 são-paulino, boa parte dos méritos pelo acerto defensivo são de Ney Franco, com quem já havia trabalhado por alguns meses no Atlético-PR. O zagueiro entende que o treinador reajustou a antes criticada marcação do time ao ganhar o grupo de jogadores, que vem "colocando em prática o que ele pede".

"Agora o time inteiro está se ajudando mais. Se alguém erra, ninguém aponta o culpado. No clássico, a gente viu o Luis Fabiano dando carrinho e tirando bola de cabeça lá atrás. A marcação começa lá da frente. Se continuarmos jogando dessa forma, a gente vai conseguir chegar à liderança o mais rápido possível", valoriza Rhodolfo.

Pessoalmente, a partida de domingo será marcante para o zagueiro. Todos os seus jogos foram como titular. Já com relação ao time todo, ela pode representar o retorno ao grupo de classificação para a Copa Libertadores. O São Paulo entra na rodada um ponto abaixo do quarto colocado Vasco, que pode deixar o G-4 em caso de tropeço para a Portuguesa, neste sábado.

A única indefinição de Ney Franco para o duelo com o Bahia está na frente, em função da suspensão de Luis Fabiano. Osvaldo e Cícero são os principais concorrentes pela vaga ao lado de Lucas, sendo que Ademilson e Willian José correm por fora.

Redes Sociais

Interatividade

© Copyright 2008-2012 - www.sampafc.com